Pesquisar este blog

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

MODELO DE PETIÇÃO DE PENSÃO POR MORTE - FILHO MAIOR INVÁLIDO.

Bom dia, hoje trago um modelo de petição de pensão por morte para maior inválido com pedido de tutela antecipada em face do INSS perante a Justiça Federal.

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Federal da _____ Vara Federal da Subseção Judiciária de (nome da cidade).














 (nome do autor), brasileiro, casado, motorista, carteira de identidade (número da carteira de identidade), CPF (número do CPF), residente e domiciliada na rua (nome do endereço), vem perante Vossa Excelência, por meio de seu procurador (nome do advogado), brasileiro, solteiro, advogado inscrito na OAB/(Estado e número da OAB), carteira de identidade (número da identidade), CPF (número do CPF), residente e domiciliado (nome do endereço profissional), ajuizar a presente

AÇÃO DE CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA

em face do Instituto Nacional de Seguro Social – INSS, na pessoa de seu representante legal da procuradoria federal da autarquia previdenciária, no endereço (nome do endereço), com os seguintes fundamentos fáticos e jurídicos a serem deduzidos a seguir:

I – Dos Fatos:

O autor é filho de (nome do de cujus segurado), conforme certidão de nascimento em anexo.

Ocorre que na data de 20/06/2014 o seu genitor faleceu tendo como causa da morte o câncer ou neoplasia maligna, conforme certidão de óbito em anexo.

O falecido residia com o autor, e este era o único responsável pela sobrevivência deste, conforme consta da certidão de óbito e demais documentos inclusos.

Cabe ressaltar que o falecido já era aposentado e no domicílio sustentava a casa em todas a suas necessidades.

Com o falecimento do seu genitor, e sendo solteiro e inválido já na data do óbito de seu pai, o autor dessa ação tornou-se detentor legítimo do direito de pensão por morte, e desta forma, em virtude do direito líquido e certo e da necessidade financeira pela qual este passa, habilitou-se perante o INSS, conforme documento em anexo.

Entretanto, o INSS negou o benefício da pensão por morte sob a alegação de que o autor não possuía mais a qualidade de dependente de seu pai, mesmo sendo o autor inválido.

Mesmo com todos os requisitos da legislação previdenciária preenchidos, o benefício da pensão por morte fora negado, alegando falta da qualidade de segurado de dependência econômica bem como de que o autor não era inválido.

Contudo, conta dos documentos em anexo, laudos médicos que constam que o autor é portador de esquizofrenia, sendo inválido para todos os efeitos legais, não tendo trabalho para se sustentar e viver independentemente se não tivesse essa doença.

Diante da negativa do INSS, resta ajuizar a presente ação ao Poder Judiciário Federal.

II.) Do Direito.

Estabelece a lei nº 8.213/91, no seu art. 16, o seguinte:

Art. 16. São beneficiários do Regime Geral de Previdência Social, na condição de dependentes do segurado:

I - o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente;  

II - os pais;

III - o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente;

§ 1º A existência de dependente de qualquer das classes deste artigo exclui do direito às prestações os das classes seguintes.

§ 2º O enteado e o menor tutelado equiparam-se a filho mediante declaração do segurado e desde que comprovada a dependência econômica na forma estabelecida no Regulamento. 

§ 3º Considera-se companheira ou companheiro a pessoa que, sem ser casada, mantém união estável com o segurado ou com a segurada, de acordo com o § 3º do art. 226 da Constituição Federal.

§ 4º A dependência econômica das pessoas indicadas no inciso I é presumida e a das demais deve ser comprovada.”

Sobre o caso em comento temos um filho maior inválido, por ser portador de esquizofrenia, que vivia na dependência econômica do pai, uma vez que o filho sendo inválido está impossibilitado de se manter com seu próprio trabalho.

Não pairam dúvidas sobre a concessão do benefício previdenciário da pensão por morte, senão vejamos:

a) O falecido mantinha a qualidade de segurado, em virtude de ser aposentado, e assim manter a qualidade de segurado por tempo indeterminado;

b) O autor dessa ação era o filho do de cujus, e por esse motivo consta como dependente deste, com a presunção de dependência econômica, e não tendo que provar esta dependência;

c) No caso em tela, o autor já era maior na data do óbito, cerca de 30 anos de idade, mas possui os benefícios da pensão por morte uma vez que na data do óbito o mesmo era inválido, e podendo comprovar esta situação com documentos e perícia médica se necessário comparecer para tanto.

Portanto, não cabe nesse caso, o fundamento da negativa do INSS de alegar que o mesmo já não mais mantinha a qualidade de dependente, uma vez que o mesmo já é maior de 21 anos, mas inválido por ser portador de esquizofrenia.

Em virtude da invalidez que o autor é portador, o mesmo não tinha outra pessoa que pudesse auxiliá-lo, portanto, era o autor totalmente dependente de seu pai, economicamente.

E esclarece que a negativa não pode prevalecer uma vez que a invalidez já existia no momento do óbito de seu genitor, e pode-se provar facilmente através dos documentos acostados nos autos, e se necessário for pode ser feita perícia médica para provar o fato alegado.

Cite uma jurisprudência.

II.I.) Da Concessão da Tutela Antecipada.

Estão preenchidos os requisitos do art. 273, do CPC que diz:

Art. 273, do CPC:
“O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e:

I – haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou
II – fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu.

Os requisitos da verossimilhança das alegações e de prova inequívoca estão provados tendo em vista que a certidão de nascimento do autor, a certidão de óbito do pai do autor, os laudos periciais de que é inválido bem como todo o requerimento administrativo de concessão da pensão por morte que foi negado pelo INSS. Há de se destacar os exames médicos particulares do autor, bem como os atestados médicos do Dr. (nome do médico) que afirmam que o mesmo tem “esquizofrenia” e não pode trabalhar para o tratamento de sua doença.

Os requisitos de que haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação está caracterizado porque se trata de verba de natureza e fundamental para o tratamento de sua doença de sob pena de não se chegue ao resultado útil do processo.

Aliás, não há óbice de concessão de tutela antecipada para a concessão de pensão por morte, dado o seu caráter alimentar.

Cite uma jurisprudência.

III) DO PEDIDO:
                   
 Pelas razões de fato e de direito acima expostas, requer-se:

 - Que seja deferido os benefícios da justiça judiciária gratuita, nos termos do artigo 12 da Lei 1.060/50, por ser pobre na acepção legal, não podendo arcar com as custas do processo sem prejuízo do sustento próprio;
                    
 - Que seja deferida a antecipação dos efeitos da tutela, em caráter liminar, no sentido de obrigar a ré a conceder o benefício previdenciário de pensão por morte, no prazo máximo de 30 dias;

- Que caso não seja deferida em sede liminar a antecipação dos efeitos da tutela, pede-se que seja concedida a tutela antecipada após a apresentação da defesa da ré.

- Que seja ao final confirmada a antecipação dos efeitos da tutela e julgada procedente o pedido da autora para condenar a ré para que proceda a concessão do benefício previdenciário de pensão por morte e pague os retroativos devidos desde a data do requerimento administrativo no prazo de 60 dias, expedindo-se RPV.

- Que seja citada a ré por meio de oficial de justiça, no endereço supracitado na petição inicial, para que apresente defesa sob pena de sofrer as consequências jurídicas da revelia;

 - Que na hipótese de reconhecimento da procedência do pedido por parte das rés da presente ação, que haja o julgamento antecipado da lide, nos termos do artigo 330, I, do código de processo civil.

 - Que na hipótese de não haver o julgamento antecipado da lide, que sejam arroladas como testemunhas da autora as seguintes testemunhas (nome das testemunhas);

 - Que na hipótese de não haver o reconhecimento da procedência do pedido, que sejam condenadas as rés ao pagamento das custas e da sucumbência dos honorários advocatícios, no importe de 10% a 20% do valor da causa.

- Requer-se que seja provado os fatos narrados na inicial por meio de prova documental, prova pericial e prova testemunhal, e de todos os meios admitidos em direitos que forem necessários para a concessão de seu direito.
 
Dá-se o valor da causa R$5.000,00.

Cidade, data.

Nesses termos,
Pede e espera deferimento.



_______________________________
                    Advogado
   OAB/(Estado e número da OAB)


- Rol de testemunhas:

Nome de 3 testemunhas, suas qualificações e endereços para intimação.